Sindiplast-ES faz balanço de 2020 e projeta ano positivo em 2021

A singularidade do ano de 2020, devido à pandemia Covid-19, exigiu adaptação, flexibilidade e agilidade dos setores econômicos e de toda a sociedade. Ao fazer o balanço do ano, o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Espírito Santo (Sindiplast-ES) destaca que, apesar dos diferentes desafios enfrentados pelos empresários do setor, o ano trouxe novos olhares e potencial de resolutividade diante do cenário adverso provocado pela pandemia.

Enfrentados os obstáculos e com as empresas mais adequadas às novas rotinas vindas com a pandemia, os empresários do setor de Plásticos se mostram otimistas quanto ao ano de 2021. O diretor da Plastin, Neviton Gasparini, acredita que as demandas até então retraídas irão refletir no crescimento da economia.

“Dois mil e vinte foi um bom ano para a Plastin. Conseguimos investir em melhorias na fábrica, com a compra de novos moldes e equipamentos periféricos. Espero que 2021 seja o ano da virada e que a economia volte a crescer. Estamos otimistas, trabalhando com uma perspectiva de crescimento em torno de 20 a 30%”, afirma.

O diretor da Fibrasa e vice-presidente do Sindiplast-ES, Giuliano de Castro, também destaca que o ano foi de demandas acima da expectativa para a empresa que, além de atuar na produção de embalagens de alimentos, também fornece baldes industriais para tintas e produtos químicos.

“Estamos em um mercado em que a demanda é contínua, por isso, nossa expectativa de crescimento é de 20 a 30% em nossas plantas do Espírito Santo e do Nordeste. Em 2020, o plástico saiu de uma posição de vilão para solução no combate à pandemia, devido a sua proteção e assepsia. O setor, de uma maneira geral, teve um ano positivo. Nosso maior impacto foi a falta de insumos para atender às demandas”, enfatiza.

Balanço do Sindiplast-ES é positivo

Como representante do setor de Transformados Plásticos do Espírito Santo, o Sindiplast-ES também precisou se adequar às necessidades dos associados. O presidente da entidade, Jackley Maifredo, destaca que o ano foi proveitoso, com a conquista de três novos associados, a redução de 57% nos gastos da entidade, a promoção de qualificações para os associados, a representação do setor em rodadas de negócios, a integração com outros sindicatos, a defesa da economia circular perante a sociedade, empresariado e poder público, entre outras ações.

“Mantivemos a defesa de interesse do setor junto ao Governo do Estado, municípios e a Assembleia Legislativa do Espírito Santo (ALES); iniciamos uma Pesquisa de Remuneração e Benefícios nas empresas do setor; promovemos o estímulo à inovação, por meio do Prêmio InovaPlast e da divulgação e incentivo à participação dos associados em editais de inovação; e lançamos um novo modelo de programa de conscientização ambiental para recolhimento de tampinhas plásticas, o Programa Tampinha do Bem”, afirma.

O gestor ainda destaca como realizações a Semana do Plástico 2020 em modo semipresencial; a integração de consultores voluntários para atuarem como mentores de diversas áreas no sindicato; o resgate do Grupo de Boas Práticas de RH do Sindiplast-ES; a integração e otimização da comunicação do sindicato e a retomada das visitas às indústrias do setor, com a produção de entrevistas que foram disponibilizadas no site do Sindiplast-ES.

setor de Plásticos se mostram otimistas

“Tivemos o desafio de estimular os associados a se reinventarem diante da pandemia e lidamos com a escassez e aumentos desproporcionais de matéria-prima, mas o setor, de maneira geral, reagiu positivamente ao cenário provocado pela pandemia. Agora, nossa expectativa é que, com o início da vacinação, ocorra a retomada do desenvolvimento da economia e que o Sindiplast-ES continue apresentando o valor do setor e a importância da representatividade para seus associados e a sociedade”, finaliza Jackley Maifredo.