Biodegradáveis e plásticos compostáveis: Entendendo o Impacto Ambiental

Criado por sindiplastes

março 21, 2024

O uso de plásticos biodegradáveis e compostáveis tem se tornado comum em algumas aplicações à medida que a demanda por produtos “verdes” cresce. No entanto, apresença desses materiais não garante automaticamente uma opção mais sustentável. Tudo vai depender das condições de descarte e da estrutura de deposição, para que esta propriedade seja efetiva. Vamos explorar o que esses termos significam e como eles afetam o meio ambiente:

1. Diferença entre Biodegradável e Compostável:

Biodegradável: O plástico biodegradável tem a capacidade de se decompor completamente em substâncias encontradas na natureza, dentro de um período razoável. No entanto, na prática, nem sempre funciona conforme o esperado.

Compostável: O plástico compostável também se decompõe, mas é especificamente projetado e testado para ser processado em instalações de compostagem doméstica ou industrial. Essas instalações criam condições específicas, como temperatura e umidade, para transformar o
plástico em um condicionador de solo utilizável.

2. Impacto Ambiental:

Não é a Solução Mágica: Biodegradáveis e compostáveis por si só não resolverão a crise da poluição plástica. É essencial coletar todo o plástico, incluindo os tipos biodegradáveis e compostáveis, e combinálos com sistemas de recuperação adequados para que o material
permaneça no ciclo e fora da natureza.

o Aplicações Específicas: Em aplicações específicas, esses plásticos podem ajudar a reduzir o desperdício. Por exemplo, recipientes compostáveis para viagem podem ser compostados juntamente com os resíduos de alimentos.

o Fontes Biobaseadas: Muitos plásticos biodegradáveis e compostáveis
são feitos a partir de fontes biobaseadas, como algas, beterrabas ou
outras plantas, em vez de combustíveis fósseis.

3. Cuidados na Disposição:

Importante ter em mente que os plásticos compostáveis devem ser
coletados e destinados á compostagem em estrutura específica para
tal fim.

Compostagem Doméstica: Caso o consumidor tenha uma estrutura de
compostagem doméstica, é necessário que separe o material e coloque
apenas materiais certificados como “compostáveis em casa”.

Compostagem Industrial: Alguns materiais são projetados para
instalações industriais de compostagem. Para que funcione, deverá ser
verificado as diretrizes do programa local de coleta de compostagem.

Em resumo, a escolha entre biodegradável e compostável importa, mas é fundamental garantir que esses materiais sejam gerenciados adequadamente para minimizar seu impacto ambientalImpactos Ambientais da Degradação de Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis.

Impactos Ambientais da Degradação de Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis

Outro ponto a ser considerado na utilização destes materiais é o impacto ambiental do ponto de vista da geração de gases do efeito estufa, principalmente Metano e o CO2,

 

1 - Emissões de CO₂:

Biodegradáveis e Compostáveis: Quando esses plásticos se decompõem, a principal transformação é a conversão de seus constituintes orgânicos (polímeros e aditivos orgânicos) em dióxido de carbono (CO₂) e água. Isso ocorre principalmente durante o processo de
compostagem.

Redução de Emissões: Estudos mostram que substituir plásticos convencionais por alternativas biodegradáveis pode levar a uma redução significativa nas emissões de carbono. Por exemplo, 1 tonelada de produtos plásticos tradicionais emitem entre 52,09 e 150,36 kg de CO₂ equivalente. Em contraste, 1 tonelada de plásticos biodegradáveis e compostáveis emitem apenas de 21,06 a 56,86 kg de CO₂ equivalente, representando uma redução notável de 13,53% a 62,19%1
.

2 - Emissões de Metano:

Compostagem Anaeróbica: Quando os plásticos compostáveis degradam em condições de ausência de oxigênio (como em aterros sanitários), eles também podem gerar metano (CH₄). O metano é um gás de efeito estufa ainda mais potente do que o CO₂.

Gerenciamento Adequado: Para minimizar as emissões de metano, é crucial que esses materiais sejam direcionados para instalações de compostagem adequadas, onde o processo ocorre com a presença de oxigênio.

Outro ponto relevante a se considerar na utilização de materiais biodegradáveis e ou compostáveis é seu impacto nocivo no fluxo de reciclagem dos plásticos convencionais. Devemos considerar que nossa estrutura de separação ainda está em desenvolvimento, onde a identificação dos materiais não é muito eficiente e a contaminação destes materiais com os convencionais será altamente provável.

Vamos analisar om mais detalhes estes efeitos:

1 – Contaminação de Fluxos de Reciclagem:

  • Os plásticos biodegradáveis frequentemente são misturados com plásticos convencionais nos fluxos de reciclagem. Essa mistura pode causar contaminação e prejudicar a qualidade dos materiais reciclados.
  • A triagem e classificação se tornam mais complexas, dificultando o processo de reciclagem.

2. Degradação Incompleta:

  • Embora sejam chamados de “biodegradáveis”, nem todos os plásticos biodegradáveis se degradam completamente em condições naturais.
  • Alguns requerem condições específicas (como temperatura e umidade) para degradação adequada.
  •  A degradação incompleta pode resultar em resíduos persistentes no ambiente.

3. Tempo de Degradação:

  • O tempo necessário para a degradação varia amplamente entre os plásticos biodegradáveis.
  • Alguns podem levar anos para se desintegrar completamente.
  • Durante esse período, os plásticos ainda podem causar impactos negativos.

4. Confusão do Consumidor:

  • Os termos “biodegradável” e “compostável” são usados de forma intercambiável, mas têm significados distintos.
  • Isso confunde os consumidores, levando ao descarte incorreto e prejudicando a reciclagem.

5. Impacto no Ciclo de Reciclagem:

  • A introdução de plásticos biodegradáveis nos fluxos de reciclagem afeta a eficiência.
  • Processos de triagem e classificação demandam mais recursos e custos
    adicionais.

Em resumo, a escolha entre plástico biodegradável e plástico convencional, deve considerar não apenas as propriedades desses materiais, mas também as condições de descarte, sistemas de recuperação e o impacto geral no meio ambiente. A sustentabilidade requer soluções holísticas considerando todo o ciclo de vida do material e as condições regionais de descarte, coleta e destino destes materiais

Fontes de referência:

  • Mahmoud, N. A., Yasien, A. M., Swilam, D. H., Gamil, M. M., & Ahmed, S. T.
    (2022). Impacts of Biodegradable Plastic on the Environment. In Handbook of
    Biodegradable Materials.
  • Georgiev, G., & Mihailov, M. (1992). The Impacts of Plastics on Environmental
    Sustainability and Human Health. In Innovations in Biodegradable Plastics and
    Sustainable Packaging.
  • Medical Plastics News. (2023). The role of biodegradable materials in reducing
    medical plastics waste.

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

SindiplastES comemora 26 anos com avanços e projetos implantados

SindiplastES comemora 26 anos com avanços e projetos implantados

O SindiplastES comemora neste mês os seus 26 anos de fundação. E a data foi comemorada em alto estilo com um caloroso “Parabéns pra Você”, por autoridades e associados na Findes, em cerimônia aberta e conduzida pelo superintendente, Gilmar Nogueira. O presidente do...

Seminário sobre o Decreto de Logística Reversa

Seminário sobre o Decreto de Logística Reversa

Findes com apoio do Sindiplastes promovem seminário para abordar o Decreto de Logística Reversa do ES O Decreto de Logística Reversa do Espírito Santo (DLR) - assinado no dia 22/03, no Palácio Anchieta, pelo governo estadual - será apresentado ao setor industrial...

Avenida Nossa Senhora da Penha,
Nº 2.053 – Ed. FINDES 3º andar,
Santa Lúcia, Vitória, ES,
CEP: 29.056-913
Telefone: 27 3334-5922

Newsletter

Fique por dentro das novidades do sindicato

Siga-nos

Acompanhe as novidades do Sindiplastes em nossas redes sociais.